...porque uma mulher é tanto mais confiante quanto mais Kgs tiver na carteira!!!

.revelações recentes

. Avós

.revelações no funda da carteira

. Abril 2014

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009


Sexta-feira, 23 de Outubro de 2009

Avós

 

 

Já não os tenho.

Mas tenho recordações, muitas...

Não conheci a minha avó materna. Tenho pena. Gosto de ouvir falar dela.

O meu avô materno viveu connosco até aos meus 7-8 anos.

Lembro-me dos passeios a dois, da sua preocupação em não nos deixar cometer erros gramaticais (eu, como menina, nunca podia dizer obrigado, mas sim obrigada), dos truques de magia com as cartas (como eu me deslumbrava).

Depois, lembro-me de o ver sucumbir à doença (ou velhice, como se dizia), de já não poder sair de casa sózinho, de cair na cama e assim morrer. Não chorei quando soube da sua morte (provavelmente, e apesar de ser criança, sabia que tinha sido melhor assim e, afinal já lá iam 86 anos). Mas chorei, chorei muito, de cada vez que as suas faculdades (fisicas e mentais) iam diminuindo.

Restavam-me os meus avós paternos que viviam numa linda terra transmontana - Vila Real (é lá que ainda hoje recupero forças).

Viveram mais uns 20 anos. E que anos felizes...

As férias, os natais...as histórias, os doces, os mimos, os ensinamentos, as lições de vida e de amor (o meu avô morreu de mão dada com a minha avó e ela, chorou desalmadamente), a protecção. Protegiam-nos até dos nossos pais, quando eles teimavam em nos ralhar porque faziamos muito barulho durante os nossos serões (noites inteiras vá) à lareira. Diziam que preferiam ouvir-nos toda a noite do que não saberem por onde andavamos.E eles é que sabiam.

Protegiam-nos, também, dos safanões das nossas mães, porque durante a noite comiamos as sobremesas do dia seguinte.

Lembro-me da broa acabada de cozer, com a manteiga a derreter, do cheiro a café (cevada Delta) logo pela manhã. Nunca mais fui capaz de beber cevada Delta.

Sinto tanto a vossa falta...

 

tags:

revelado por revelacoesdeumacarteirade20kg às 17:18

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito


.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.tags

. todas as tags

.links

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds